008: Fodas violentas com um Rabão - Parte I

• Comentar

O que houve de lenga lenga da minha virgindade até meus 16 anos houve de sacanagem pesada e das boas! Acho que as tretas mais emocionantes da minha vida rolaram durante essa idade, acho que porque era tudo novo pra mim naquela fase. Essa idade foi marcadas também por muitos vendavais, posso dizer que foi a pior idade, ano e fase da minha vida, tudo dava errado, só aconteciam coisas fortemente ruins como o péssimo relacionamento com a minha mãe, morte do meu pai, pobreza, humilhação, depressão, essas coisas. Tudo isso me influenciou em muito a me aventurar e me aprofundar cada vez mais nessas coisas. Eu não sabia mas todas as merdas que eu fazia na verdade era uma válvula de escape pra fugir das lutas da vida. Realmente quando eu fodia, conhecia outros caras acabava me esquecendo de tudo.

Nesse momento eu tinha muitos contatos de putaria no MSN, a maioria era ignorada por mim (tadinhos), sempre tive com quem foder, se quisesse foderia com um diferente cada vez que quisesse, mas acabava sempre ficando com os mesmos caras. Já perdi a conta de quantas vezes já transei na vida, mas a grande maioria das vezes sempre foi com caras que já conhecia há um tempo. E vou te contar que... Até hoje rola alguns flashbacks com caras que conheci na adolescência (se eu volto é porque é bom, né?!) haha!

Tinha um rapaz da cidade de Niterói, no Rio de Janeiro que sempre falava comigo, mas nunca marcava nada. Eu era daqueles de enrolar muito e sempre quando o assunto era marcar um foda com alguém. Eu curto conversar bastante com o cara antes de rolar algo sabe? Eventualmente essa regra se quebra, as vezes por motivo de alto grau de gostosura doser humano que está me querendo hahahah! Flavio mentiu sua subtraindo sua idade para 25, quando na verdade tinha 31 (um tempo depois eu achei seu RG em cima de um móvel da sala, mas nunca toquei no assunto com ele, pra mim não importava), disse que morava com seus pais e que eles estavam viajando, portanto ele estava só em casa. Ele tinha um rabo imenso! Era uma bunda que até hoje eu nunca vi igual, que em em nível de gostosura só foi superada uma vez e faz pouco tempo. Grande, empinada, redondinha e bem dura! Eu me perdia naquela bunda só de olhar. Numa de nossas conversas no MSN ele compartilhou comigo algumas fotos suas nu, no chuveiro, deitado exibindo seu rabão, eu fiquei louco e logo não hesitei em visita-lo.

Fui ao apartamento dele e ao abrir-se a porta ele me recepcionou normalmente. De primeira impressão tive um choque: Aquele baixinho rabudo tinha uma voz afeminada do caralho! Aquilo pra mim naquela época foi um choque. Mas isso não chegou a me brochar ou fazer com que eu desistisse de ficar com ele naquele momento. Sentei naquele sofá preto super confortável e senti nos meus pés descalços aquele tapete de textura super gostosa. O ar estava ligado, estava tudo agradável. Ele pôs um pornô gay e seguida sentou no meu colo e começou a me beijar. Desci a minha mão lentamente até sua munda e senti aquelas curvas enquanto meu meu pau se endurecia.


Ele rebolava em cima do meu pau sem parar. Flávio tirou a camisa e em seguida arrancou toda a minha roupa começando pela camisa. Estava com tanto tesão naquele rabo que quando ele pôs o meu pau na boca fui no céu e voltei! Ele chupava com uma vontade tão grande que nem cria que aquele momento acontecia! A cara de puta safada que ele fazia era uma coisa de louco. Eu o segurava pelos seus cabelos lisos e batia com a minha vara na cara dele, fazendo aquele barulhão por causa do peso da minha pica contra sua pele. Não imaginei que aquilo fosse acontecer mas... Ele se levantou do chão segurou as minhas pernas e começou a penetrar em mim, fiquei sem palavras pois não esperava e nem queria aquilo, mas deixei ele tentar. Doeu, não persisti muito naquilo, ele percebeu que eu não estava confortável e parou. Flavio voltou a me chupar e me beijar, enfim tentamos a penetração. Ele começou a sentar e... Triou logo o pau, respirou fundo abrindo a boca e fechando os olhos. "Seu pau é muito grande!", disse ele. Eu ria enquanto ele tentava outras vezes colocar meu pau inteiro no seu rabo. Aos pouco fui sentindo seu rabo apertado engolir meu pau, quando entrou tudo eu comecei a socar de leve, mas ele sempre tirava, não aguentava muito tempo. Ele se levantou, foi até a cozinha e me trouxe um copão de refrigerante. Me beijou de novo e o coloquei de quatro no sofá. Comecei a meter e fui acelerando a socada, quando percebi que ele ia sair o segurei mais forte pela cintura e soquei com raiva, bem forte. Ele deu uma urrada tão profunda... Em seguida o arriei aos poucos no sofá até que meu corpo estivesse deitado totalmente sobre o seu. Meti mais um pouco e ele pediu um tempo pra ir no banheiro.

Durei uns 15 minutos esperando o Flavio voltar. "Meu primo está aqui, falei de você, posso chama-lo?" disse o baixinho de rabão pra mim. "Ué, mas você não estava sozinho em casa?", respondi com uma bela de uma pulga atrás da orelha. Ele me me disse que ele estava pra chegar de viagem no dia seguinte, mas acabou chegando enquanto me locomovia da minha cidade até a sua de ônibus e não tinha conseguido me avisar. Acabei concordando que ele chamasse o tal primo dele.

Quando a porta de um dos quartos se abre... Advinha quem saiu de lá?

0 comentários:

Postar um comentário